quinta-feira, 13 de março de 2014

Convento de Santa Clara em Guimarães

TOUCINHO DO CÉU – MUITA HISTÓRIA POR TRÁS DE UM DOCE!
Vou contar hoje a história de uma cidade famosa por seus doces, principalmente o toucinho do céu. Tenho certeza de que vão se apaixonar por esse lugar tão especial e rico em cultura.
                                 
                     
                                       
                   

A cidade portuguesa de Guimarães ficou muito famosa por seu Convento Santa Clara, de onde surgiram muitas iguarias tradicionais do país. Ele foi fundado no século XVI e fechado no ano de 1834 quando um decreto republicano proibiu as ordens religiosas. Nesses dois séculos de história, as freiras criaram muitos sabores, em sua maioria, à base de ovos e açúcar, sendo o mais famoso, o toucinho do céu (Bacon for Heaven).
Esse doce fez com que a cidade de Guimarães fosse esquecida por ser o berço da nação, onde os portugueses se libertaram da Espanha, para ser lembrada como o berço do Bacon for Heaven, mostrando como a gastronomia influencia na cultura de um povo.
Tudo começou quando as freiras recebiam 6$400 réus por mês para suas despesas. Elas achavam pouco e por isso, resolveram fazer doces para vender fora, aumentando a renda. Os doces predicados dessas irmãs ganharam fama e logo estavam durante o período de festas, trabalhando mais com os doces que com as missões religiosas. Sendo assim, em 1758, o Arcebispo de Braga proibiu-as de praticarem as artes pasteleiras da véspera do Advento até o dia 7 de janeiro, a fim de se dedicarem a Deus. Em 1760, essa proibição foi maior, iniciando-se em 15 de outubro, dia de Santa Teresa.
Mesmo com tantas restrições aos doces, eles ainda davam o que falar. Então em 1769, o mesmo Arcebispo D. Gaspar, proibiu as freiras de venderem os doces para qualquer membro eclesiástico e só era permitida a feitura destes em caso de moléstia na família, em quantidades pequenas, suficientes para os dias de enfermidade, impedindo que as sobras fossem comercializadas. Essa medida valia do dia 15 de outubro (Santa Teresa) até o dia 6 de janeiro (Dia de Reis).

Diante de muitos protestos, as freiras resolveram negociar com o Arcebispo e ganharam a permissão para fazer doces de forno até o dia de todos os santos (1º de novembro). Paravam a fabricação até o dia de Reis. Esse fato ocorreu em 1771. Em dezembro desse mesmo ano, as freiras voltaram a negociar com o clero a permissão para confecção de chouriças, alegando que a alimentação era fraca e precisavam se nutrir bem para dar conta das funções religiosas decorrentes do Natal. A permissão foi concedida, mas tinha um truque: existiam chouriças com açúcar!
Em 1776 acabou esse problema, porque a abadessa reclamou os direitos do Convento de Santa Clara de comercializar doces, quando todos os outros conventos de Guimarães o faziam, menos o delas. O arcebispo não teve saída e liberou a venda dos doces clarentianos.
A fama do toucinho do céu de Santa Clara vem de um episódio ocorrido em 1564. Nesse período, 2/3 dos rendimentos e frutos da Igreja de Santa Cristina de Arões foram destinados ao Convento de Santa Clara. Por isso, todo dia 24 de julho (Dia de Santa Cristina), as freiras mandavam ao Abade de Arões uma caixa de Toucinho do Céu, com nove unidades, para adoçar sua boca e ele não atrasar a remessa de rendimentos… Em 1757, o Abade achou que a quantidade de doces era injusta e então, queixou-se ao Juiz do foro de Guimarães, que não lhe deu razão. Este então foi ao foro do Porto queixar-se da quantidade “pequena” de toucinhos do céu que recebera das freiras. O juiz do Porto compartilhou da mesma sentença de Guimarães e a partir de 1760 deixou de receber o agrado das freiras de Santa Clara. Que história, não?!
As últimas freiras do extinto Convento de Santa Clara foram Ana Angelina e Antônia Amara, que estiveram presentes na Exposição Industrial de doces, organizada por Alberto Sampaio, em 1884. Lá estava o tão aclamado Toucinho do Céu!
O toucinho do céu tradicional é composto por um bolo rico em ovos e amêndoas. É um pão-de-ló com amêndoas. Porém, com o passar do tempo, ele foi elaborado de outras formas, ganhando chila, leite de coco fresco, coco ralado e feito com massa mil folhas ao forno.
Mas, preste muita atenção: não chame um doce que não seja o tradicional Bacon for Heaven por esse nome em Guimarães! É um verdadeiro insulto!
                       

(Veja Receitas em http://viajandoaojardimdossabores.blogspot.pt/)
(Fonte: http://www.sorvetescolore.com.br/viagem-de-sabores/toucinho-do-ceu-muita-historia-por-tras-de-um-doce/)